Na esteira do surto de coronavírus, máscaras descartadas se acumulam nas praias

FONE:
0800 878 1061

NOVIDADES

sexta, 13 de março de 2020

Na esteira do surto de coronavírus, máscaras descartadas se acumulam nas praias


Na esteira do surto de coronavírus, máscaras descartadas se acumulam em Hong Kong

Créditos da imagem: Tim Evans / Twitter (Representational Images)




Grupos ambientalistas já estão preocupados com o fluxo de lixo marinho da China continental e de outros lugares, que os animais marinhos costumam confundir com comida.


Após o surto de coronavírus, máscaras descartadas estão se acumulando nas praias e trilhas naturais de Hong Kong, representando uma enorme ameaça à vida marinha e aos habitats da vida selvagem.


O coronavírus infectou 126 pessoas na cidade e matou três, e a maioria das pessoas agora recorria ao uso de máscaras de uso único todos os dias para afastar o vírus.


Grupos ambientalistas já estão preocupados com o fluxo de lixo marinho da China continental e de outros lugares, que os animais marinhos confundem com comida, e agora a preocupação só aumentou devido às máscaras faciais que não são descartadas adequadamente. Isso também levanta preocupações sobre a propagação de germes.


"Só tivemos máscaras nas últimas seis a oito semanas, em um grande volume ... agora estamos vendo o efeito sobre o meio ambiente", afirmou o India Today citando Gary Stokes, fundador do grupo ambientalista Oceans Asia.


Falando sobre as ilhas isoladas e desabitadas de Soko em Hong Kong, Stokes afirmou que inicialmente encontrou 70 máscaras descartadas em trechos de 100m de praia. Quando ele voltou depois de uma semana, encontrou 30 novos.


Outras praias da cidade contam uma história semelhante, disse ele.



Para combater a poluição, as limpezas das praias estão sendo organizadas por grupos de conservação.


"Ninguém quer ir à floresta e encontrar máscaras espalhadas por toda parte ou usar máscaras nas praias. É anti-higiênico e perigoso", disse Laurence McCook, chefe da Conservação dos Oceanos do World Wildlife Fund em Hong Kong.


Tracey Read, fundadora do grupo Plastic Free Seas em Hong Kong, afirmou que as máscaras são feitas de um tipo de plástico chamado polipropileno, e não vão quebrar rapidamente.


"As pessoas pensam que estão se protegendo, mas não se trata apenas de se proteger, você precisa proteger todos e, ao não jogar fora a máscara corretamente, é muito egoísta", disse ela.

Fonte: THE LOGICAL INDIAN

MANDE UM ZAP!